Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ALICE PRIMEIRA

Quando alguma das minha pessoas é pai/mãe pela primeira vez, regresso repetidamente ao ponto em que nos conhecemos. E revejo em traços largos aquilo que vivemos até chegar aqui. Aquilo que fomos sendo. Deixando de ser.

Acontece o mesmo quando perco alguém. Um flash back que serve para recomeçar. Para pôr fim. 

Quando há dois meses a minha mãe ligou e disse que a Matilde tinha nascido recuei quinze anos no tempo e vi-me a correr em volta da mesa da cozinha, perseguida pelo meu irmão. Vi-nos a adormecer no mesmo quarto. A comprar gelados no café da travessa e a lanchar pão com nutella. E acho que me despedi dele enquanto miúdo, ali, no dia em que aos meus olhos se tornou homem. Virou pai. 

 

Ontem nasceu a Alice, filha de uma AMIGA. Hoje acordei feliz, e o recuo repete-se... e ouço-nos nos deliciosos disparates que dissemos. Que vivemos. Vejo-nos no bate perna pela calçada lisboeta.  Nas dúvidas que compreendíamos uma na outra. Nos dias difíceis que afogámos em xícaras de chá. Ou taças de vinho...No tempo em que a Alice era apenas uma dúvida, um desejo, um medo desalmado. 

 

Ontem a Alice chegou. E nada nunca mais será como antes. Será melhor. Tão maior.

Parabéns minha amiga.... és um dos seres humanos mais bonitos que conheço, e serás também uma das melhores mães do mundo. Do nosso mundo.

 

 

 

PS: E já agora obrigadinha por te teres ''abotoado'' com o nome da minha futura filha. É sempre simpático. Só para que saibas a minha será Alice segunda. Não tenho culpa de seres velha e teres procriado mais cedo.