Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

E não viu você o de ''senhora minha mãe''

Ontem, quando cheguei a casa após um fim de semana delicioso, abri a caixa de mensagens do blogue, e estive a ler as novidades do ''estaminé''. Publiquei esta imagem

12472502_639958316166411_1370983294970714700_n.jpg

 Com a seguinte legenda:

 

«Venho por este meio dedicar a mais profunda e sentida foto à leitora que semanalmente me envia mensagem no facebook a sugerir muito simpaticamente #NOT que opere o nariz já que, segundo ela, " é grosseiro e batatudo". Pois que nunca, jamais, tal coisa me havia passado pelo sentido, mas estou hoje tentada a enviar um pedido de ajuda para o ''Você na TV.'' Sim porque narizes à borla só mesmo as "blogueiras" à séria.»

 

Confesso que me arrependi um bocadinho de ter escrito, até porque responder a estas coisas é dar de comer ao disparate, e encher a pança (que é como quem diz o ego) aos infelizes que se dedicam ao ''azucrinamento'' profissional do juízo alheio. Uma profissão que está a dar, segundo sei.

Depois de duas ou três semanas a eliminar os comentários estilo ''és bonita mas tens um nariz horrível'', ''que nariz grosseiro, estraga tudo'', entre outros... ontem não resisti a responder. 

É verdade que o nariz não é propriamente o meu ''ponto forte'', e que efectivamente não podemos apelidá-lo de bonito. Mas também não podemos dizer que seja uma aberração, porque não é! E que fosse, nada justifica estas mensagens merdosas.

O engraçado é que não há vez que não se fale em herança genética que eu não manifeste a minha eterna gratidão a Deus nosso senhor por não me ter ''empontado'' o nariz de senhora minha mãe (esse sim redondo e batatudo), ou o do meu rico pai, que não é ''gordo'' mas antes super pontiagudo! Nasci ali num meio termo aceitável... pensava eu!!! Afinal, segundo a minha querida leitora, não se aguenta! Acredito que, caso não tome as devidas providências, ela mesma acabe por ligar ao Dr. Ângelo Rebelo a expor o caso.. 

 

E pronto, andava eu aqui a pensar que era uma sortuda por andar ali no meio, entre pai e mãe, sem grandes exageros...com um nariz que não dá pena nem paixão e afinal... pimbas. 

 

Obrigada querida, atenta e aparentemente (in)sensível, leitora. Conseguiu que passasse 2 quartos de segundo de frente para o espelho a pensar no assunto. E cheguei à conclusão que a xô dona Amália é que tinha razão: ''No meio da cara tem por força que ver''. Com muita pena sua. Eu sei. 

 

Love*

Elza 

4 comentários

Comentar post