Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Natal, tu arrebata-me, se faz favor!

 

10.jpg

Dezembro, o meu mês!

O filho favorito, a última trinca da bola de Berlim com creme, o golo decisivo do campeonato... o mais lindo e o mais bom!!! 

Nem mesmo o frio malino, ou a bandida da chuva, impedem que o amor aconteça, todos os anos, de forma assolapada. Ele acontece. E não sei explicar melhor do que isto: no Natal sou uma criança feliz, não importa o quão pobre, ou fodida lixada com o trabalho/vida possa estar, é Natal e isso basta-me! E se estivermos a falar do Dezembro enfiada na casa dos pais? Nesse caso, entramos no campo da felicidade montada num unicórnio cor-de-rosa, basicamente! 

Contudo, este ano não me cheira a Natal. Não sinto ainda o ''bichinho na barriga'' quando as luzes da Baixa se acendem. Sinto só o vento a colar-me o cabelo na boca (besuntada de gloss). Não me apetece comprar canecas encarnadas a 2 euros na Primark, nem meias felpudas com renas desenhadas no peito do pé. Nadinha de nada.

E este fenómeno mexe-me com o sistema de uma maneira que não vos passa.

Mais ou menos como quando conhecemos um tipo muito querido e muita giro, que parece ter sido feito por encomenda, de quem tentamos gostar, mas não conseguimos. E até nos esforçamos, mas nada! Eu sinto-me assim... a forçar o espírito natalício sem sucesso absolutamente nenhum!

Caraças, que isto de não sentir o ''OH-OH-OH-PLIM-PLIM-PLIM'' a bater forte cá dentro é pior do que não sentir as perninhas!!!!!! ( Alerta sensíveis: Estou a brincar). 

Enfim... o tratamento de choque chega na sexta-feira! Senhora dona mãe vem a Lisboa numa tentativa emergente de ''recuperar o espírito perdido''. E espero que ligue as luzes apagadas nesta minha alminha empobrecida... que me faça sentir que É NATAL outra vez, e que esta continua a ser a época mais espectacular do ano.

 

A ver vamos.