Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porque aqui a liberdade é mais livre...e a janela, que era grande, é ainda maior.

Aprendi a estar sozinha há muito tempo, quando dividi casa comigo e com dois quartos vazios. Aprendi, devagar, a apreciar uma solidão perigosa, que sem querer nos afasta dos outros, mas que nos aproxima de nós. 

Gostei do silêncio que a chave abria na porta ao fim do dia. Do espaço todo só para mim...Das noites sem sono, à janela grande da sala, sempre a pensar no que viria depois. 

Viver sozinha matou-me muitos dos medos que tinha. Outros ainda tenho.

Obrigou-me a ir à cozinha, durante a noite, às escuras, beber um copo de água, ou descobrir de onde vinha ''o barulho'' que podia muito bem ser ladrão! Que felizmente nunca foi. Viver sozinha, forçou-me a atravessar a rua inteira de madrugada, depois de trabalhar 12 horas na outra ponta da cidade. Ensinou-me a escolher criteriosamente quem queria que entrasse pela porta... que passasse da sala.

 

Faz amanhã três meses que vim viver com o homem e a minha ''solidão propositada'' ficou do lado de dentro da casa velha... à janela grande da sala, a ver-me carregar caixas pesadas pela rua que tantas noites atravessei às escuras, cheia de medo!

Vir viver com o homem não é para mim um  casamento, nem nada que se pareça. Não é a certeza de um ''para sempre'', até porque ainda não sei se acredito muito nessas coisas. 

Viver  com o homem é sentir que a liberdade que descobri na solidão pode ser ainda melhor, e mais livre, quando vivida por dois (sim, porque não me venham com a lenga lenga do ''agora somos só um'' que eu cá gosto muito da minha individualidade e não quero cá fusões com ninguém''). 

 

Esta semana o homem está fora e voltei a ter uma casa só para mim... voltei a sentir o silêncio que me sabe bem, a solidão que  me agrada, mas que já não é perigosa porque agora não é infinita! Porque a chave abre  a porta de uma casa cheia de nós. 

Porque aqui a liberdade é mais livre. E porque a janela desta sala é ainda maior do a outra. E daqui vê-se mais mundo. E sente-se mais amor. 

Love*

Elza