Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Somos o 8 e o 80 e nesta ''tuguice'' perdemos sempre.

bandeira-portugal.jpg

 Sou grande fã de futebol, como toda a gente sabe. Gosto muito da nossa Selecção, não como gosto do Benfica, há que confessar, mas gosto muito. Não sofro desalmadamente, não rezo aos santinhos todos (como quando o meu Benfas está em campo), mas gosto muito.Mais importante do que isso, gosto sempre!  

Gosto quando ganhamos numa goleada bruta, ou quando perdemos por duas ou três secas.  

Sei, porque a minha humilde experiência enquanto atleta me o ensinou, que não há ninguém no mundo que queira tanto ganhar como quem está em campo. Quem tem a bola nos pés. Que ninguém falha de baliza aberta porque lhe apetece,  que não há atletas ''a marimbar-se'' porque não é ''ali que vão buscar o ordenado''. 

Da mesma forma que também não acredito que se falhe por ansiedade, por sistema nervoso. Não sejamos ingénuos... estes jogadores (Ronaldo, por exemplo), estão mais do que acostumados à pressão do ''ou é agora, ou não é''. São anos a virar frangos!!! Falham por azar e porque são pessoas.

Semanas antes do nosso último jogo, o Ronaldo marcou a penalidade que deu a Champions ao Real Madrid. Não estaria muito mais em jogo? Estava. Marcou porque ''é o Real que lhe paga?'',não. Marcou porque correu bem, e há dias falhou porque correu mal. Tão simples quanto isto.

 

Somos o país do 8 e do 80 em tudo, no futebol de forma ainda mais evidente. E hoje, se ganharmos, voltamos a ser muita bons e muita fortes, capazes de limpar o Europeu! Se perdermos somos uns bandidos que não merecem a camisola que vestem e que envergonham o país... é assim que o povo pensa, diz e escreve. Nas redes sociais, nos cafés... 

 

Independentemente do resultado de hoje, vim só dizer que gosto da nossa Selecção. Acho que nos faltam alguns jogadores mais vocacionados para determinadas posições, alguma organização e liderança. Mas agora isso não interessa nada. Jogamos com o que temos e certamente faremos o possível. A bola é redonda e o resultado imprevisível. 

O que não devia ser circunstancial é a forma como apoiamos os nossos. No melhor e no pior. 

 

Força Selecção, vamos dar cabo deles, ou pelo menos tentar. 

1 comentário

Comentar post